'Continuo contra movimento LGBT', diz deputado gay Douglas Garcia

Parlamentar teve, a seu próprio pedido, sexualidade revelada por Janaina Paschoal (PSL), na Alesp

Publicado em 05/04/2019
Douglas Garcia se assume gay na Alesp
'Sempre bati e vou continuar batendo na militância LGBT', disse Garcia

Após se assumir gay na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), nesta sexta-feira 5, o deputado Douglas Garcia (PSL) afirmou ser contra o movimento LGBT.

Curta o Guia Gay São Paulo no Facebook

"Sempre bati e vou continuar batendo na militância LGBT. Continuo sendo radicalmente contra o movimento LGBT, mas agora com mais credibilidade ainda", afirmou o parlamentar ao O Globo, de acordo com o Extra.

Mais
>>> Sob ameaça de vídeo de sexo, deputado Douglas Garcia assume ser gay
>>> 'Arranco a tapa', diz deputado sobre transexuais em banheiros femininos

Garcia, de 25 anos, assumiu sua homossexualidade por meio das palavras de Janaína Paschoal, líder de seu partido na Alesp, que falou sobre o assunto no plenário.

Na quarta-feira 4, o deputado afirmou que "tiraria a tapa" uma transexual que entrasse em um banheiro feminino. Por causa da declaração, houve um embate entre ele e a também deputada Erica Malunguinho (Psol), a primeira política trans eleita na Casa.

Por causa de sua transfobia, Garcia disse que foi ameaçado nas redes sociais. "Ameaçaram levar minha orientação sexual a público. Então eu me antecedi", contou.

"Acabaram passando uma imagem tão distorcida que pessoas com quem eu já tinha me relacionado começaram a procurar dar publicidade da minha vida privada. Queriam me colocar como se eu fosse um gay enrustido que até então estava se segurando e, por isso, saia xingando todo mundo. Não tem nada a ver."

Segundo apurou o Guia Gay São Paulo, fala-se nos bastidores da Alesp que vídeos com conteúdo sexual envolvendo o deputado poderiam ser divulgados. Houve também ameaça de invasão do gabinete parlamentar.

Fontes revelaram à nossa reportagem que o outing de Garcia fez a percepção de seus colegas na Assembleia mudar.

Antes odiado, a então declaração transfóbica poderia resultar em sua cassação, já que o Psol e outros partidos disseram que vão entrar com processo contra o deputado por quebra de decoro.

A partir da revelação sobre sua orientação sexual, no entanto, a avaliação dos colegas é de que ele não merece perder o mandato.


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.