Fernando Holiday defende fim de secretaria LGBT, que não existe

Gay, vereador eleito divulgou que esse tópico será foco de seu primeiro pronunciamento na câmara

Publicado em 06/10/2016
Vereador gay Fernando Holiday defende fim de secretaria LGBT que não existe
Para Holiday, políticas para minorias são segregacionistas

Primeiro vereador assumidamente gay eleito para a Câmara Municipal de São Paulo, Fernando Holiday (DEM) se declarou contra a existência de suposta secretaria LGBT na estrutura da prefeitura. Tal órgão não existe. 

Curta o Guia Gay São Paulo no Facebook 

Em vídeo, publicado em sua página no Facebook, o vereador disse apoiar a proposta do prefeito eleito João Doria (PSDB) de acabar com as secretarias da igualdade racial, das pessoas com deficiência e LGBT.

Assim como já publicamos, Doria errou ao fazer tal afirmação já que não existe uma secretaria para LGBT. A comunidade arco-íris é atendida pela Coordenação de Políticas para LGBT, vinculada à Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania.

O demista também anunciou, em outro post, que o apoio ao fim daqueles órgãos será objeto de seu primeiro discurso na tribuna da câmara. 

Holiday vai além. Para ele, iniciativas em prol de negros e LGBT são segregacionistas. O futuro vereador dá a entender que será contra políticas públicas para os dois segmentos, que lutariam por privilégios. No vídeo, o futuro vereador não diz se considera políticas para idosos e mulheres também algo desnecessário.

O programa de governo de Dória prevê não só a continuidade de ações pró-LGBT criadas por Fernando Haddad (PT) - o programa Transcidadania é exemplo - , como a ampliação das iniciativas. 


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.