Retrospectiva 2016
O que acontece no Brasil e no mundo em relação a LGBT

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo em 2016

Elas e eles estão na política, artes, entretenimento e gestão pública, e exerceram forte poder de atuação no ano

Publicado em 19/12/2016

10 mais influentes são paulo 2016

Elas e eles deixaram sua marca no ano que chega ao fim. E nada mais merecido que marcar a trajetória que cumpriram nesse tempo. Para tal e pelo terceiro ano consecutivo, o Guia Gay São Paulo celebra os arco-íris que mais se destacaram e mostraram poder de mobilização e passaram (ou continuaram) a ser referência dentro e fora da comunidade. É a lista Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016.

Curta o Guia Gay São Paulo no Facebook

Como critérios para inclusão e posição das pessoas na lista tem-se impacto social, espaço na mídia, representatividade de destaque na área de atuação (seja LGBT ou não), capacidade de mobilização em torno de seus feitos ou ideias e relação qualificada com outros formadores de opinião. Todos devem ser moradores da capital paulista. 

Mais
>>> Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2015
>>> Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2014

Ao contrário dos anos anteriores, quando a lista final era resultado de soma de votos dados por formadores de opinião, desta vez, a escolha é realizada pela própria equipe do Guia Gay São Paulo, com base no acompanhamento diário que faz de fatos no universo LGBT local, nacional ou internacional.  

Mudança que apenas aperfeiçoa o objetivo da lista: lembrar personalidades LGBT que, em diferentes áreas, tais como ativismo, política, jornalismo, entretenimento e arte, mostram nossa contribuição para a sociedade, mesmo com visões de mundo algumas vezes divergentes da maioria (e da nossa!).

Na lista abaixo, a marcação (N) mostra que a pessoa não integrou nenhuma lista dos anos anteriores, o (R) evidencia que se trata de retorno da personalidade vinda da lista de 2014. Já um número indica a posição na lista de 2015.

10 - (N) Fernando Oliveira (Fefito)
Ele já era uma figura conhecida da TV por causa de sua participação no programa Mulheres, da TV Gazeta. Mas este ano, Fefito foi além e comandou (ao lado de Ellen Oléria e Mel Gonçalves), o primeiro talk show LGBT da televisão brasileira, o Estação Plural, na TV Brasil. Questões pertinentes ao nosso universo foram discutidas com diversas personalidades - LGBT ou não - durante o ano. O jornalista ainda assina uma coluna de TV no jornal Agora São Paulo e no site F5 e fala para uma legião de fãs nas redes sociais - só no Twitter são 100 mil seguidores.

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016: Fernando Oliveira (Fefito)

9 - (R) André Almada
Dono do maior clube LGBT da cidade, The Week, a qual é sinônimo de alta qualidade no entretenimento gay, o empresário garante uma multidão de seguidores em qualquer projeto que resolva concretizar. Neste ano, a boate completou 12 anos e realizou mais uma edição do festival Acquaplay, anotado na agenda de milhares de homossexuais de Manaus a Porto Alegre. Sua projeção é internacional e leva o nome do Brasil como destino turístico gay mundo afora. Almada também comanda o portal Universo AA, focado em moda, beleza e saúde para homens.

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016: André Almada

8 - (N) Paulo Iotti
O advogado e professor universitário figura hoje dentre os principais especialistas em direitos LGBT do Brasil. E não só em teoria e debates, como ações. Por exemplo, ele atua no Supremo Tribunal Federal em defesa do uso de banheiros por transgêneros de acordo com suas identidades, e, mais recentemente, venceu causa contra a revista Veja a favor da cartunista Laerte, vítima de falas discriminatórias. Está sempre a postos no Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual (Gadvs). 

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016: Paulo Iotti

7 - (N) Nelson Sheep
Dono do site de cultura pop Superpride e integrante do badalado canal LGBT Põe na Roda, Nelson tem mais de 200 mil seguidores nas redes sociais. Tamanha capacidade de mídia tornou-o convidado tanto de eventos ativistas quanto de governos, inclusive o federal, quando o objetivo é passar mensagens de prevenção de DST/Aids ou de ativismo com linguagem e leveza que faz chegar a mensagem aos jovens gays e bissexuais. 

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016: Nelson Sheep

6 - (N) Luiza Coppieters
Ainda que se defina como militante LBT (ela exclui gays de sua luta), Luiza representou os arco-íris nas eleições deste ano na cidade e foi a terceira candidata LGBT mais votada - com 9.744 votos - à vereança. No seu partido, o Psol, é tida como nome importante e, agora, ainda mais cacifado. Professora de Filosofia, transexual e lésbica, ela integra o Conselho LGBT da cidade de São Paulo e assinou coluna no HuffPost Brasil no primeiro semestre. São 28 mil seguidores em sua página no Facebook. É representante de ativismo atual e sem concessões. 

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016: Luiza Coppieters

5 - (N) Walcyr Carrasco
Escritor mais fértil da maior emissora de TV do País, a Globo, Carrasco tem o toque de Midas: tudo o que toca dá audiência. E não foi diferente este ano com Êta Mundo Bom!, novela das seis de maior Ibope nos últimos nove anos. Na reta final da trama, Carrasco ainda presentou os espectadores de seu divertido folhetim com um casal gay em pleno horário em que as senhorinhas dão o tom da audiência.

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016: Walcyr Carrasco

4 - (N) Fernando Holiday
Assim que empossado como vereador, ele diz que lutará pelo fim de direitos conquistados pelos negros e, apesar de ter dito ser favorável ao casamento gay, é contra assistência social e serviços específicos para LGBT. Mesmo com tais posições, é inegável o espaço e a marca que conquistou: entrou para a história como o primeiro legislador LGBT assumido eleito para a Câmara Municipal de São Paulo. Foram 48.055 votos vindos principalmente por quem se identificou com sua atuação como coordenador nacional do Movimento Brasil Livre (MBL), libertário para uns, de direita para outros. 

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016: Fernando Holiday

3 - (N) Jessica Tauane
Enquanto enfrentou bravamente uma rara doença de pele, Jessica não parou. Seu Canal das Bee continuou rendendo milhares de visualizações (possui quase 300 mil inscritos) e lançou o canal Gorda de Boa. Na TV, Jessica - ao lado de outros influenciadores digitais - estrelou campanha da Avon e ainda, junto ao canal, lançou o projeto Bee Ajuda, que tinha meta de arrecadar R$ 80 mil e amealhou R$ 131.875 para ajudar jovens LGBT que necessitam de atendimento psicológico especializado - de quebra, a quantia ainda dará para realizar o primeiro filme do Canal das Bee.

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016: Jessica Tauane

2 - (N) Liniker
Antes promessa, Liniker já é uma realidade no cenário musical brasileiro. Junto aos Caramelows, a cantora conquistou o prêmio de revelação do ano no Prêmio Multishow e tem feito shows lotados por todo o País. Nas mais variadas mídias, a artista tornou-se uma presença constante levando consigo - além de sua arte - o importante debate da questão de gênero. Sua fala engajada e a quebra de padrões de gênero que ela encarna é símbolo de e para um novo tempo. 

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016: Liniker

1 - (8) Alessandro Melchior
Sob sua gestão como chefe da Coordenação de Políticas LGBT da Prefeitura de São Paulo, a cidade teve ampliação nunca vista no Brasil em políticas públicas LGBT. Exemplos: apenas na capital paulista há mais centros de apoio LGBT do que em algumas regiões brasileiras inteiras, e isso sem contar com as inovadoras unidades móveis; o Transcidadania, que concede bolsa de estudos para pessoas trans, tornou-se referência nacional e internacional; antes do fim da gestão, e como coroação, esteve à frente da filiação paulistana ao maior fórum de cidades pró-LGBT do mundo, o Rainbow Cities.

Clique aqui para ler entrevista de Melchior a respeito de seu prêmio como mais influente de 2016.

Os 10 LGBT Mais Influentes de São Paulo 2016: Alessandro Melchior

 


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.